Ibovespa fecha a semana com perdas

  •  
Ibovespa fecha a semana com perdas (Foto: Pexels) Ibovespa fecha a semana com perdas

O Ibovespa encerrou a semana registrando 76.028 pontos, o que representou uma queda de 1,03% no dia. Entretanto, no acumulado do ano, a alta do índice já segue com um acúmulo de 0,55%.

Já o Ifix, o índice que mede o desempenho médio dos Fundos Imobiliários no Brasil, encerrou o pregão da sexta-feira registrando uma alta de 0,09%. No acumulado do ano até agora, contudo, a alta vem sendo de 4,21%.

De acordo com Rafael Panonko, analista chefe Toro Investimentos, a semana começou com os mercados mais otimistas e corrigindo o forte movimento de queda da semana passada, porém esse otimismo durou pouco diante das incertezas do cenário político e especulações de que o MP poderia denunciar Geraldo Alckmin por improbidade administrativa antes do 1° turno. “A semana marcou o limite para a inscrição das candidaturas,e o mercado segue atento aos desdobramentos jurídicos do PT em relação a candidatura do ex presidente Lula no TSE. Na semana que vem o mercado espera o resultado das pesquisas de Data Folha e Ibope e podemos ter um incremento de volatilidade no Ibovespa diante das pesquisas mostrarem o crescimento da possibilidade de um segundo turno entre Jair Bolsonaro e PT, tirando o Alckimin de campo”, ressaltou o analista.

“Como pano de fundo, assistimos a guerra comercial e a crise na Turquia se acirrarem, a volatilidade foi o ingrediente adicional da semana no cambio, vimos o dólar se valorizar frente as principais moedas emergentes, efeito cadeia da lira turca que já desvalorizou mais de 25% no mês de agosto e mais de 50% no ano”, disse Panonko.

Principais ações

Já no cenário Corporativo, chega o final do período de divulgação de balanços, e o destaque na semana foi a alta de LIGT3 (Light) com o anúncio da possível oferta de ações ON o que puxou as ações de CMIG4 (Cemig) também. A Marfrig fica como destaque de queda após abrir com alta forte diante da possibilidade da venda da Keystone Foods para a gigante Tyson Foods, pouco depois da abertura, devolveu a alta e passou a cair, com fluxo bem vendedor em suas ações na Bolsa.

A BRFS3 (BRF), teve seu rating cortado de BB+ para BB pela S&P, reflexo do alto endividamento e do fraco resultado do seu balanço do 2T18, a empresa recentemente aprovou seu plano de reestruturação operacional e financeiro e corre contra o tempo para implementá-lo e reduzir sua alavancagem.

A BBSE3 (BBSeguridade) foi destaque de alta na semana, com credit suisse mudando recomendação para a empresa de neutra para "outperform.

Além disso, a JBSS3 (JBS) divulgou seu resultado acima das expectativas, onde o destaque fica por conta da forte demanda do mercado nos EUA que contribuiu para o bom resultado. A companhia apresentou uma melhora operacional mesmo com a greve dos caminhoneiros, o vilão da divulgação do seu balanço foi o prejuízo com os efeitos do cambio, no período o dólar se valorizou muito frente ao real.

Carteira Teórica

Entre as ações com maior peso na carteira teórica (que vigora de 07 de maio a 31 de agosto) a Vale ON (VALE3) subiu 2,17%, aos R$ 50,80; Itauunibanco PN N1 (ITUB4) recuou 2,56%, a R$ 42,98; Bradesco PN N1 (BBDC4) perdeu 3,05%, a R$ 28,62; Ambev S/A ON (ABEV3) valorizou 0,89%, a R$ 19,18 e a Petrobras PN (PETR4) caiu 2,59%, a R$ 18,46.

Commodities

O petróleo referência, Brent, ficou em alta de na bolsa de Futuros de Londres a 0,86% a US$ 71,83 o barril.

O petróleo WTI ficou em alta de 0,69%, cotado a US$ 65,91 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

(Redação – Investimentos e Notícias)