Dólar cai somente após Bolsonaro assumir o governo

  •  
Dólar cai somente após Bolsonaro assumir o governo Foto: Divulgação

'O mercado financeiro sempre se antecipa e precifica os ativos, mas hoje temos um cenário diferente', afirma Fernando Bergallo, Diretor de Câmbio da FB Capital

Mesmo após a vitória de Bolsonaro, a moeda americana continuou subindo, visto que os investidores ainda olhavam com certa insegurança para a política do novo governo.

No entanto, o mercado financeiro já tinha dado como certa a vitória do então candidato (antes mesmo que acontecesse o segundo turno das eleições) e resolveu se antecipar derrubando a cotação do dólar, que só foi sentida a poucos dias atrás.

Após a vitória de Bolsonaro nas urnas houve uma correção nos preços. Porém, no segundo dia do novo governo a moeda já abriu instável, devido a uma declaração do presidente ao telejornal SBT Brasil, falando sobre a Reforma da Previdência, que deixou o mercado frustrado.

Jair Bolsonaro declarou que a idade mínima para aposentadoria seria de 62 anos para homens e 57 anos para mulheres, direcionando a reforma para uma fase mais branda se comparada ao do ex-presidente Michel Temer, na qual o teto seria de 65 anos.

Mesmo com tais declarações, o Ibovespa tem se mantido em alta com recordes acima de 93 mil pontos, algo nunca visto na história. A cotação do dólar também tem se mostrado bastante expressiva de forma positiva para os brasileiros, pois nos últimos dias a moeda americana registrou valores abaixo dos R$ 3,70.

'O mercado sabia previamente muitas medidas que o novo governo tomaria. Porém, todos os dias existe um novo anúncio de corte de gastos, ajustes e geração de receita. O investidor teve uma surpresa positiva com o início do novo mandato e a sensação de que realmente haverá uma política dura focada na retomada econômica. Isso explica as constantes altas do mercado de ações e a queda frequente da moeda dos Estados Unidos. Estamos voltando a ter credibilidade', afirma Fernando Bergallo, Diretor de Câmbio da FB Capital.

Para o especialista, o dólar deve continuar sua trajetória de queda e deve acelerar ainda mais seus passos para baixo assim que a Reforma da Previdência for aprovada. O mercado financeiro sempre costuma se antecipar ao fato e precificar os ativos. Entretanto, o cenário hoje é bastante diferente. 'O grande teste do Brasil é a Reforma da Previdência. É isso que o investidor estrangeiro espera para sentir uma plena confiança na economia nacional. Teremos, em breve, um dólar próximo a R$ 3,45 e com a aprovação da Reforma poderemos chegar a patamares próximos de R$ 3,20', conclui Bergallo.

(Redação - Investimentos e Notícias)