Dólar em alta pode afetar inflação nos próximos meses

  •  
Dólar em alta pode afetar inflação nos próximos meses (Foto: Pexels) Dólar em alta pode afetar inflação nos próximos meses

Alguns dos principais índices que atuam como referência da economia brasileira vem apresentando muitas oscilações neste primeiro semestre. As mudanças de expectativa com relação a aprovação da reforma da previdência e a desaceleração da economia americana podem ser encarados como exemplos dos principais fatores que tem afetado nossa economia. 

O Economista e Diretor de Câmbio da FB Capital Fernando Bergallo comentou sobre como os fatores internos e externos podem afetar o valor da moeda americana no país e, em que grau eles podem ter efeito direto no cenário atual. “Hoje o impacto para o Brasil, sem dúvida, está relacionado à reforma da previdência. O impacto é muito mais interno do que externo”, disse Bergallo.

Neste cenário de instabilidade onde temos um aumento no valor do dólar em relação ao Real é possível que exista uma subida da inflação, pensando que, o combustível, o trigo e o papel para embalagens são alguns exemplos de produtos precificados em dólar.

“A alta do dólar sempre repassa um pouco para inflação, mas para que isso aconteça precisa ser uma alta duradoura. Para termos um impacto maior na inflação, a moeda americana precisaria se sustentar em um valor alto por no mínimo dois, três meses”, explicou o Economista sobre os efeitos do câmbio na inflação. Dessa forma a moeda precisaria se manter alta por um certo período de tempo para que os reais impactos sejam percebidos.

A reforma da previdência então seria central no alinhamento dessas expectativas. “Tudo vai depender se a reforma será aprovada e se for, também é preciso levar em consideração se foi necessário abrir mão de alguma coisa que estava na proposta inicial, para poder mensurar os efeitos na economia”, complementou Fernando.

O ajuste das contas púbicas seria então muito importante para tornar o Brasil mais atrativo para os investidores estrangeiros, mas é preciso tomar cuidado para que a reforma aprovada no congresso seja robusta e possa realizar os acertos necessários.

(Redação – Investimentos e Notícias)