Economia cai 0,4% em fevereiro

  •  
Economia cai 0,4% em fevereiro (Foto: Pexels) Economia cai 0,4% em fevereiro

O Monitor do PIB-FGV aponta, na série com ajuste sazonal, retração de 0,4% da atividade econômica em fevereiro, em comparação a janeiro e estagnação no trimestre móvel findo em fevereiro (trimestre dez/18- jan-fev/19 comparado ao trimestre set-out-nov/18). Na comparação interanual, a atividade econômica apresentou resultados positivos com crescimento de 2,3% no mês e 1,0% no trimestre.

“O recuo de 0,4% do PIB em fevereiro, de acordo com o Monitor do PIB-FGV, é consequência das retrações nas três grandes atividades econômicas (agropecuária, indústria e serviços). Apesar disso, os resultados interanuais mostram melhora substancial da economia, tanto pelo lado da oferta quanto pelo lado da demanda. Essas variações opostas retratam o cenário econômico vivido atualmente no país: a economia ainda evolui positivamente com relação ao ano de 2018, porém não consegue reagir em 2019 dada a grande incerteza com relação ao cenário político e as reformas necessárias para que a economia deslanche. Aparentemente a economia está em modo de espera. ”, afirma Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV.

Conforme já mencionado, na comparação com o mês imediatamente anterior, na série livre de efeitos sazonais, a atividade econômica retraiu 0,4% em fevereiro. Com relação ao mesmo mês do ano anterior, no entanto, a atividade apresentou crescimento de 2,3%, em fevereiro com retrações registradas apenas na agropecuária (-0,2%), na extrativa mineral (-8,8%), no consumo do governo (-0,6%) e, nas importações (-10,0%). A elevada variação negativa registrada na extrativa é resultado do desastre de Brumadinho, ocorrido em janeiro. No caso da importação, a forte queda deveu-se, principalmente, ao “efeito base” da importação de plataformas em fevereiro de 2018.

Em termos monetários, o PIB em valores correntes alcançou a cifra de aproximadamente 1 trilhão, 153 bilhões, 746 milhões de Reais no acumulado do ano até fevereiro.

(Redação – Investimentos e Notícias)