IGP-10 varia 1,97% em dezembro

  •  
IGP-10 varia 1,97% em dezembro (Foto: Pexels) IGP-10 varia 1,97% em dezembro

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 1,97% em dezembro, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). No mês anterior, o índice havia apresentado taxa de 3,51%. De janeiro e dezembro de 2020, o índice acumulou alta de 24,16%. Em dezembro de 2019, o índice subira 1,69% no mês e acumulava elevação de 6,39% em 12 meses.

“O IGP-10 é a primeira versão do índice geral a fechar o ano calendário, para o qual acumulou alta de 24,16%. A principal contribuição partiu do IPA que subiu 33,05% em 2020. Entre os três grupos que dividem o índice ao produtor por estágios de processamento, o destaque coube às matérias-primas brutas que subiram 64,17% e responderam por 61% do resultado do IPA. Já o IPC fechou o ano com alta de 4,72%, acima da meta de inflação. O grupo alimentação, que subiu 13,29% no ano, respondeu por 52% da inflação ao consumidor. Por fim, o INCC subiu 8,50% em 2020. O destaque ficou por conta dos materiais, equipamentos e serviços, cujos os preços avançaram 15,34% no ano”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

Dentre os indicadores, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 2,27% em dezembro. No mês anterior, o índice havia registrado taxa de 4,59%.

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 1,27% em dezembro. Em novembro, o índice havia apresentado taxa de 0,55%. Sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Educação, Leitura e Recreação (0,40% para 4,50%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item passagem aérea, cuja taxa passou de 3,03% para 36,45%.

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 1,12% em dezembro. No mês anterior a taxa subira 1,51%. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de novembro para dezembro: Materiais e Equipamentos (3,47% para 2,49%), Serviços (0,57% para 0,54%) e Mão de Obra (0,24% para 0,18%).

(Redação – Investimentos e Notícias)