Produção industrial cai 1,8% em setembro

  •  
Produção industrial cai 1,8% em setembro (Foto: Pexels) Produção industrial cai 1,8% em setembro

Em setembro de 2018, a produção industrial nacional recuou (-1,8%) frente a agosto (série com ajuste sazonal), terceira taxa negativa seguida e acumulando nesse período redução de 2,7%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

No confronto com setembro de 2017 (série sem ajuste sazonal), a indústria caiu 2,0%, primeiro resultado negativo nesta comparação, após três altas consecutivas. Os índices acumulados do ano (1,9%) e nos últimos doze meses (2,7%) continuam positivos, mas o setor mostrou perda de ritmo frente aos meses anteriores. 

O recuo de 1,8% da indústria na passagem de agosto para setembro de 2018 mostrou taxas negativas nas quatro grandes categorias econômicas e em 16 dos 26 ramos pesquisados. Entre as atividades, as influências negativas mais relevantes foram em veículos automotores, reboques e carrocerias (-5,1%), máquinas e equipamentos (-10,3%) e bebidas (-9,6%). Com esses resultados, o primeiro setor voltou a recuar, após avançar 2,2% no mês anterior; o segundo interrompeu três meses seguidos de crescimento, período em que cresceu 10,3%; e o último recuou pelo terceiro mês consecutivo e acumulou perda de 19,2% no período.

Outras contribuições negativas importantes sobre o total da indústria vieram de produtos alimentícios (-1,3%), de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,5%), de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-5,7%), de outros produtos químicos (-1,6%) e de celulose, papel e produtos de papel (-2,4%). Por outro lado, entre os nove ramos que ampliaram a produção nesse mês, o mais relevante para a média global foi assinalado por metalurgia, que avançou 5,4%, após mostrar variação negativa de 0,2% em agosto último.

Entre as grandes categorias, ainda em relação a agosto, bens de consumo duráveis, ao recuar 5,5%, mostrou a queda mais acentuada em setembro de 2018, influenciada, em grande parte, pela menor produção de automóveis. Esse segmento manteve-se predominantemente em queda e acumulou perda de -6,4% desde julho. Os setores de bens de capital (-1,3%), bens intermediários (-1,0%) e bens de consumo semi e não-duráveis (-0,7%) também recuaram, embora menos intensamente do que a média nacional (-1,8%).

Com esses resultados, o primeiro setor eliminou parte da alta de 5,5% verificada no mês anterior; o segundo acumulou redução de 3,4% em dois meses consecutivos de queda; e o último teve o terceiro resultado negativo seguido, acumulando queda de -2,2% no período.

(Redação – Investimentos e Notícias)