Vendas de veículos têm alta de 8,3% no acumulado do ano, aponta Anfavea

  •  
Vendas de veículos têm alta de 8,3% no acumulado do ano, aponta Anfavea Foto: Divulgação

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), divulgou nesta quinta-feira, 5, os dados das vendas de veículos deste ano. Segundo a entidade, foram vendidas 2,53 milhões de unidades de janeiro a novembro de 2019, o significa uma alta de 8,3% na comparação com o mesmo período de 2018.

Em novembro, o número de licenciamentos atingiu 242,3 mil, uma queda de 4,4% ante outubro e alta de 4,9% ante novembro do ano passado.

Além disso, a produção também apresentou melhoras, com um aumento de 2,7% no acumulado do ano, com 2,77 milhões de unidades saindo das fábricas.

Já entre novembro e outubro houve queda de 21,2%, sendo que em novembro foram fabricadas 227,5 mil unidades ante as 288,5 mil de outubro. Também houve queda na comparação com novembro anterior, sendo registrado recuo de 7,1%.

Em relação às exportações, o estudo apontou queda de 33,2% no acumulado de janeiro a novembro, com a comercialização de 399,2 mil unidades no mercado externo. Já no mesmo período de 2018, as vendas para o exterior totalizaram 597,5 mil veículos.

Em novembro, a retração ficou em 7,9% em comparação com o mesmo mês do ano passado, com a exportação de 34,4 mil veículos.

O nível de emprego na indústria automotiva teve retração de 3,7% em novembro em relação ao ano passado, com 131,3 mil mil pessoas trabalhando no setor. No acumulado do ano houve queda de 1,0% no número de postos de trabalho.

Ainda segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, os números confirmam a tendência prevista para o ano de 2019. "Estamos com crescimento de quase 9% no acumulado do ano e a nossa expectativa é a de que essa tendência se confirme com o mês de dezembro indicando que o mercado interno de veículos pode atingir 2,8 milhões de veículos neste ano, com crescimento de 9,1%".

Para 2020 poderá haver crescimento, desde que seja considerada a expectativa do crescimento de PIB entre 2% a 2,5%, inflação sob controle e redução da taxa de juros, além de também ter controle sobre o índice de inadimplência.

Já para o mercado de exportações, a Anfavea não espera por grande crescimento no próximo ano. Isso porque, a Argentina, que é maior mercado importador de veículos do Brasil, passa por uma situação complexa com inflação e juros altos, além de um novo governo tomando posse. É provável que o mercado externo permaneça estável em 2020, afirma a instituição.