IBGE prevê safra de grãos menor em 2019

  •  
IBGE prevê safra de grãos menor em 2019 (Foto: Pexels) IBGE prevê safra de grãos menor em 2019

No primeiro prognóstico para a safra 2019, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 226,7 milhões de toneladas, 0,2% abaixo da safra de 2018, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta redução deve-se às quedas previstas para as regiões Norte (-0,3%), Nordeste (-8,8%), Sudeste (-1,9%) Centro-Oeste (-1,4%). No Sul, até o momento espera-se crescimento de 4,1%.

Já a décima estimativa para a safra de 2018 totalizou 227,2 milhões de toneladas, 5,6% inferior à obtida em 2017 (240,6 milhões de toneladas). A área a ser colhida (60,8 milhões de hectares) é 0,6% inferior à obtida em 2017. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, e, somados, representam 93,0% da estimativa da produção e respondem por 87,3% da área a ser colhida.

Em relação a 2017, houve acréscimo de 2,8% na área da soja e reduções de 8,7% na área do milho e de 7,5% na área de arroz. Quanto à produção, ocorreram decréscimos de 17,9% para o milho, de 5,6% para o arroz e acréscimo de 2,4% para a soja.

Regionalmente, a décima estimativa para a safra de 2018 aponta produção de cereais, leguminosas e oleaginosas com a seguinte distribuição, em toneladas: Centro-Oeste (101,3 milhões); Sul (75,1 milhões); Sudeste (22,8 milhões); Nordeste (19,2 milhões) e Norte (8,7 milhões). Em relação à safra passada, foi constatado aumento apenas na região Nordeste (7,6%) nas demais houve quedas: Sul (-10,5%), Sudeste (-4,5%), Centro-Oeste (-4,4%), Norte (-2,3%). Nessa avaliação para 2018, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional, com uma participação de 26,8%, seguido pelo Paraná (15,5%) e Rio Grande do Sul (14,8%).

2019

Neste primeiro prognóstico, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2019 foi estimada em 226,7 milhões de toneladas, 0,2% inferior à safra de 2018. Esta redução deve-se às menores produções previstas para as regiões: Norte (-0,3%), Nordeste (-8,8%), Sudeste (-1,9%) Centro-Oeste (-1,4%). O Sul (4,1%) é a única onde espera-se crescimento.

Considerando-se os cinco produtos de maior importância para a próxima safra, três devem apresentar variações negativas na produção: algodão herbáceo em caroço (-2,8%), arroz em casca (-4,2%) e soja em grão (-1,0%). Com variação positiva, apenas o feijão em grão (0,3%) e o milho em grão (2,6%). Em termos absolutos, estimam-se menores produções para a soja (1,2 milhão de toneladas), para o trigo (727,1 mil toneladas) e para o arroz (489,1 mil toneladas). Para o milho, estima-se um crescimento de 2,2 milhões de toneladas na produção.

Os números levantados foram somados às projeções obtidas a partir das informações de anos anteriores, para as Unidades da Federação que ainda não dispõem das estimativas iniciais. Como este prognóstico foi realizado por levantamentos e projeções calculadas, as informações de campo representam 80,8% da produção nacional prevista, enquanto as projeções respondem por 19,2% do total estimado.

(Redação – Investimentos e Notícias)