Receita líquida da Nissan cai 2,1%

  •  
Receita líquida da Nissan cai 2,1% Foto: Divulgação

A Nissan Motor Co., Ltd. anunciou hoje os resultados financeiros para o primeiro semestre do Ano Fiscal 2018, período de 1º de abril a 30 de setembro de 2018.

No primeiro semestre do ano fiscal, a receita líquida da empresa caiu 2,1%, totalizando 5,53 trilhões de ienes. O lucro operacional caiu 25,4%, com 210,3 bilhões de ienes, o equivalente a uma margem operacional de 3,8%. Este resultado se deve principalmente a uma redução esperada dos volumes de vendas no atacado, como parte da estratégia atual da empresa para reduzir os níveis de estoque das concessionárias e melhorar a qualidade das vendas. Graças ao fortalecimento das operações da Nissan na China, houve uma queda menos acentuada no resultado líquido1, que ficou em 10,9%, com 246,3 bilhões de ienes.

De maneira geral, as operações da empresa melhoraram de forma constante no primeiro semestre do ano fiscal, apesar das condições desafiadoras do mercado. O trabalho de otimização dos níveis de estoque das concessionárias em todo o mundo continua e, por isso, foram feitos ajustes planejados nos volumes de atacado no segundo trimestre. Consequentemente, houve uma redução na receita, apesar de os volumes de vendas no varejo terem se mantido essencialmente os mesmos do ano anterior.

No escopo regional, houve um progresso substancial na melhoria da qualidade das vendas por meio de uma redução dos estoques e otimização dos níveis de incentivos no mercado americano. As vendas no Japão se recuperaram do impacto da questão da inspeção final de veículos ocorrida no ano passado. Entretanto, houve um aumento substancial nos volumes de vendas na Tailândia, Filipinas e América Latina, principalmente. As operações da empresa na China também tiveram uma boa performance durante o período. A Nissan vai continuar os esforços para fortalecer o seu negócio, com o objetivo de assegurar uma recuperação da performance no segundo semestre do ano fiscal.

Com base no método proforma, que inclui a consolidação proporcional dos resultados da operação de joint venture da Nissan na China, o lucro operacional foi de 306,7 bilhões de ienes, o que equivale a uma margem operacional de 4,9%; já o lucro líquido atingiu 246,3 bilhões de ienes.

No primeiro semestre do ano fiscal, finalizado em 30 de setembro de 2018, o volume de vendas mundiais de veículos da Nissan teve uma queda de 1,8%, totalizando 2,68 milhões de unidades comercializadas. Isso equivale a uma participação de mercado mundial de 5,8%, que representa uma queda de 0,2 ponto percentual em comparação com o ano anterior.

No Japão, as vendas da Nissan subiram 0,5%, totalizando 285 mil veículos e uma participação de mercado de 11,5%, um aumento de 0,1 ponto percentual em comparação com o ano anterior, mesmo com um mercado total japonês que quase não mudou, ficando com um volume total de 2,48 milhões de veículos. As atualizações dos modelos do segmento de miniveículos tiveram um impacto parcial nos resultados de vendas. Entretanto, as vendas aumentaram em comparação com o ano anterior graças à forte demanda por modelos que personificam a visão Nissan Intelligent Mobility, incluindo a nova geração do veículo 100% elétrico Nissan LEAF, a minivan Serena e-POWER, cuja comercialização teve início em março, e o compacto Nissan Note, que ocupou a primeira posição no Japão em emplacamentos no primeiro semestre do ano fiscal.

Na China, onde a Nissan apresenta resultados financeiros baseados no ano calendário, as vendas de veículos subiram 10,7% totalizando 720 mil unidades comercializadas, o que representa uma participação de mercado de 5,4%, um aumento de 0,2 ponto percentual em comparação com o ano anterior. A forte demanda por modelos como Nissan Sylphy, X-Trail e Kicks, bem como o Venucia D60, alavancaram o crescimento.

Nos EUA, as vendas da Nissan caíram 9,1% com um total 709 mil veículos vendidos, o equivalente a uma participação de mercado de 8,1%.

As vendas da Nissan na Europa, incluindo a Rússia, caíram 12,1% com 330 mil veículos comercializados, o que equivale a uma participação de mercado de 3,4%. As vendas na Rússia aumentaram 2,4% representando 50 mil unidades, o equivalente a uma participação de mercado de 5,6%.

Em outros mercados, incluindo Ásia e Oceania, América Latina, Oriente Médio e África, as vendas da Nissan subiram 4,3%, totalizando 407 mil veículos vendidos. Os volumes de vendas aumentaram sobretudo na Tailândia, Filipinas e no Brasil.

(Redação - Investimentos e Notícias)