Resultados da Vulcabras Azaleia ainda refletem desafios dos trimestres anteriores

  •  
Resultados da Vulcabras Azaleia ainda refletem desafios dos trimestres anteriores Foto: Divulgação Resultados da Vulcabras Azaleia ainda refletem desafios dos trimestres anteriores

O terceiro trimestre da Vulcabras Azaleia trouxe movimentos de ascensão nas vendas, como a alta de 13,9% registrada nos calçados femininos, e investimentos no parque fabril, que vai passar a produzir calçados da Under Armour em 2019. No entanto, os números ainda refletem os desafios dos períodos anteriores, marcados por eventos como a greve dos caminhoneiros e acirramento da competição no segmento esportivo.

A receita, de R$ 322,1 milhões, teve queda de 6,3% em relação ao terceiro trimestre de 2017. O lucro líquido retraiu 40,1%, com registro de R$ 39,5 milhões. O EBITDA, de R$ 54,9 milhões, recuou 34,7%, mas apresenta melhora sobre os registrados nos dois primeiros trimestres, indicando retomada do ritmo de rentabilidade. Já a margem bruta diminuiu 2,8 p.p, chegando a 36,6%. 

No acumulado de nove meses, a receita de R$ 894,9 milhões é 5,6% menor que a do mesmo período de 2017. O lucro líquido, de 106 milhões, refluiu 26,1%. O EBITDA, de R$ 148,9 milhões, recuou 34,1%, enquanto a margem bruta, de 35,2%, oscilou 3 p.p. para baixo. 

O custo dos estoques ainda trouxe contaminação da paralisação de caminhoneiros do trimestre anterior. “Somado a isso, vieram o enfraquecimento do consumo e o acirramento da competição nos calçados esportivos”, comenta Pedro Bartelle, CEO da Vulcabras Azaleia.

A crise na Argentina, principal destino das exportações da companhia, foi outro fator que impactou o desempenho e a receita líquida como um todo, ainda que o mercado externo tenha menor peso que o interno sobre os números gerais. 

Em contraponto, a receita de calçados femininos subiu 13,9%, como reflexo de uma reestruturação gradual, com medidas de respostas de médio e longo prazos.  

Investimentos

“Diante dos desafios, decidimos sustentar a estratégia de crescimento e rentabilidade, considerando resultados futuros”, afirma Bartelle. 

A empresa intensificou os investimentos em marketing e em atualização das fábricas. Em andamento, o plano de modernização do parque fabril contou com R$ 23,5 milhões no terceiro trimestre, num projeto que pretende maior produtividade e eficiência.  

As fábricas estão prontas para receber a produção dos tênis da Under Armour, uma das três maiores marcas esportivas do mundo, cujo licenciamento exclusivo, no Brasil, foi concluído em outubro. Além da comercialização, importação e distribuição de todos os produtos Under Armour, a companhia também vai desenvolver e fabricar produtos da marca no país, adequados para o mercado local. 

“Criamos uma equipe específica para a marca no nosso centro de desenvolvimento de produtos em Parobé-RS e programamos os primeiros lotes de tênis Under Armour feitos em nossas fábricas no Nordeste para o primeiro trimestre de 2019”, cita o CEO. A divisão de vestuário tecnológico, expertise da grife americana, também ficará sob responsabilidade da Vulcabras Azaleia.  

A aquisição integra o projeto de expansão da companhia, trazendo para o portfólio uma marca premium e de tecnologia para altíssima performance, que não compete diretamente com Olympikus, reconhecida como smart choice por entregar tecnologia a preços acessíveis.

(Redação - Investimentos e Notícias)