Taxa de inadimplência no crediário segue baixa

  •  
Taxa de inadimplência no crediário segue baixa (Foto: Divulgação) Taxa de inadimplência no crediário segue baixa

O índice de inadimplência apurado pela MultiCrédito em novembro apontou poucas variações nas taxas de pagamentos honrados e não efetuados. A análise do cenário é positiva: mesmo com a proximidade do Natal, o consumidor conseguiu manter as contas em dia durante o mês. Em outubro, a taxa de pagamentos honrados no crediário era de 86,84%, e foi para 86,95% em novembro, por exemplo.

Além do índice de pagamento, o volume de gastos em cada setor também apresentou baixa oscilação. O segmento de máquinas e peças, por exemplo, que representou 23% do consumo no mês de outubro, em novembro, caiu para 19% de presença nos gastos.

Centro-Oeste
No Centro-Oeste, jovens de até 20 anos honraram quase 6% a menos suas dívidas no mês passado, quando em comparação com os números outubro. O público masculino segue com a maior taxa de inadimplência, apesar de ter registrado queda de 1,82% em relação aos números de outubro. O tíquete médio aumentou R$ 10, passando a R$ 363, em novembro.

Nordeste
No Nordeste, homens e mulheres apresentaram crescimento na taxa de inadimplência, movimento contrário ao do mês anterior. O público masculino apresentou aumento de 2,18% – maior do que o do público feminino, que subiu apenas 1% na taxa de contas não pagas.

Norte
Na Região Norte, a geração Z recebe destaque pelo aumento de 5% na taxa de inadimplência de novembro, em comparação com o índice de outubro. O setor de alimentação se mantém como maior detentor das dívidas do consumidor, mesmo apresentando queda de 22% em comparação com os dados de outubro.

Sudeste
A Região Sudeste recebe destaque por ter a menor variação das taxas de inadimplência quando em comparação com o levantamento de outubro. O público masculino apresentou aumento de 0,77% nas dívidas honradas, e o tíquete médio foi de R$ 603 para R$ 542.

Sul
No Sul, jovens de até 20 anos apresentaram crescimento na taxa de inadimplência, chegando a 21,15% de pagamentos não realizados no crediário. O setor de material de construção teve sua participação nas compras bastante aumentada, chegando a 62% – em outubro o índice foi de 11%.

(Redação – Investimentos e Notícias)