Nippon Steel & Sumitomo Metal assume presidência da Associação Mundial do Aço

Nippon Steel & Sumitomo Metal assume presidência da Associação Mundial do Aço Foto: Divulgação Nippon Steel & Sumitomo Metal assume presidência da Associação Mundial do Aço

A Nippon Steel & Sumitomo Metal Corporation (NSSMC) – a maior acionista controladora da Usiminas – ganhou ainda mais força no cenário global do setor de aço. Nesta quarta-feira (18), o CEO da multinacional, Kosei Shindo, foi eleito o chairman da Associação Mundial do Aço (World Steel Association – WSA), em cerimonia oficial em Bruxelas, capital da Bélgica.

A entidade sem fins lucrativos é uma das maiores e mais dinâmicas associações industriais do mundo. Representa, atualmente, 160 empresas. Seus associados são responsáveis pela produção de cerca de 85% do aço do mundo. Entre eles estão a Usiminas, ArcelorMittal, Vallourec, Gerdau, Votorantim, entre outros.

"Este ano a Associação Mundial de Aço comemora cinco décadas de criação. Tenho a honra de como chairman neste ano memorável. Estou disposto a servir para que o aço continue a ser desenvolvido como um material importante para a indústria mundial, à vida das pessoas e à sociedade nas próximas cinco décadas que virão, baseado história de 50 anos já construída pelos nossos antecessores", afirmou Kosei Shindo.

Estatísticas do aço
Segundo relatório divulgado nessa segunda-feira (16) pela Associação Mundial do Aço (WSA – na sigla em inglês), a previsão é que a demanda global de aço alcance 1,622 milhões de toneladas em 2017. Para 2018, a expectativa 1,648 milhões de toneladas, crescimento de quase 3%.

Na América Central e Latina, a previsão da entidade é de 40,4 milhões de toneladas em 2017, um acréscimo de 2,5% em relação ao ano anterior. Para 2018, a produção deve chegar a 42,3 milhões de toneladas anuais, de acordo com a entidade – alta de 4,7% em relação a 2017. Mensalmente, a associação coleta dados de produção de aço bruto de 67 países, responsáveis por aproximadamente 99% da produção total de aço bruto no mundo em 2016.

(Redação - Agência IN)