Número de ações locatícias sobe 14,7% em São Paulo

Levantamento realizado pelo Secovi-SP no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo mostra que, em março, foram protocoladas 1.250 ações judiciais relacionadas ao mercado de locação, um aumento de 14,7% em comparação a fevereiro, quando foram ajuizadas 1.090 ações na capital paulista. Em relação a março do ano passado (1.211 ações), houve alta de 3,2%.

Selic não traz prejuízo ao mercado imobiliário, diz Abrainc

A Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) considera que a decisão de hoje, 17/3, do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central de aumentar a taxa básica de juros (Selic) de 2% para 2,75% ao ano não traz prejuízos ao processo de retomada do mercado imobiliário, que vem ocorrendo desde o segundo semestre do ano passado, após ter sofrido um impacto inicial por conta da pandemia.

Ações por falta de pagamento de condomínio caem

Segundo o estudo feito pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, houve uma diminuição gradual no número de ações de cobrança por falta de pagamento da taxa condominial na cidade de São Paulo. 

  • Publicado em Imóveis

Preço de venda de imóveis residenciais sobe em 2020

O Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades, registrou avanço de 0,47% em dezembro, acelerando ligeiramente ante os avanços de 0,43% (setembro) e 0,45% (em outubro). Comparativamente, a variação mensal do índice foi inferior ao comportamento esperado do IPCA/IBGE para o mês (+1,22%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil*. Uma vez confirmada a variação esperada dos preços ao consumidor, o preço médio de venda de imóveis residenciais encerrará o último mês de 2020 com queda de 0,74% em termos reais. Individualmente, à exceção de Brasília, onde os preços permaneceram praticamente estáveis no último mês (-0,03%), as demais capitais monitoradas pelo Índice FipeZap de Venda Residencial apresentaram elevação de preço, com destaque para as variações registradas em: Manaus (+2,65%), Maceió (+1,85%), Vitória (+1,66%), Fortaleza (+1,12%), Florianópolis (+1,02%), João Pessoa (+0,95%), Campo Grande (+0,87%), Goiânia (+0,84%), Porto Alegre (+0,80%), Recife (+0,59%) e Curitiba (+0,58%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, municípios com maior peso na composição do Índice FipeZap, as variações nominais registradas em dezembro de 2020 foram de +0,37% e +0,30%, respectivamente.

Preço de imóveis residenciais sobe 0,45% em novembro

O Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades, registrou avanço de 0,45% em novembro, ante avanço de 0,43% computado em outubro. Comparativamente, a variação mensal do índice foi inferior ao comportamento esperado do IPCA/IBGE para o mês (+0,62%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil. Uma vez confirmada a variação esperada dos preços ao consumidor, o preço médio de venda de imóveis residenciais encerrará o referido mês com queda de 0,17%, em termos reais. Individualmente, à exceção de Campo Grande (-0,07%) e Belo Horizonte (-0,08%), onde os preços permaneceram praticamente estáveis, as demais capitais monitoradas pelo Índice FipeZap apresentaram elevação do preço médio de venda de imóveis residenciais no último mês, destacando-se as variações registradas em: Manaus (+1,23%), Recife (+1,22%), Curitiba (+1,06%), Vitória (+1,05%), Maceió (+1,04%), Goiânia (+0,97%) e João Pessoa (+0,94%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, municípios com maior peso na composição do Índice FipeZap, a variação nominal registrada em novembro foi de +0,31%.

Assinar este feed RSS