Importações e exportações devem ter queda em 2015

  •  
Importações e exportações devem ter queda em 2015 Foto: Divulgação Importações e exportações devem ter queda em 2015

A primeira revisão feita pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) para a balança comercial em 2015 aponta queda de 4,3% para as exportações e redução de 9,8% para as importações. Os números estimados são US$ 215,360 bilhões para as vendas brasileiras no exterior, ante US$ 225,033 bilhões projetados para este ano.

No caso das importações a revisão feita pela AEB é de US$ 207,220 bilhões, em 2015, ante US$ 229,615 bilhões esperados para este ano. Com isso, a associação prevê um superávit de US$ 8,140 bilhões para a balança, no próximo ano, contra um déficit estimado para 2014 de US$ 4,582 bilhões.

O presidente da AEB, José Augusto de Castro, disse hoje (18) que este ano está difícil de fazer previsão para a balança comercial, especialmente sobre as importações. Segundo ele, embora as medidas governamentais, especialmente na área econômica não tenham sido anunciadas, sabe-se que terão forte impacto sobre a economia e a importação.

Castro avaliou que a elevação da taxa de câmbio tornará os produtos nacionais exportados mais caros, reduzindo a demanda. O mercado espera que haja elevação da taxa básica de juros Selic, definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central e da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), praticada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social em suas operações. A AEB espera, também, corte de gastos e a suspensão de recursos para os bancos públicos. “Tudo isso vai significar contração da economia e menor demanda”.

Com isso, deverá haver uma queda forte das importações que vai gerar um superávit primário, qualificado por José Augusto de Castro como negativo, porque “é obtido não por aumento de exportações, mas por queda de importações”.

O presidente da AEB disse que os preços das três principais commodities – minério de ferro, petróleo e soja – continuarão caindo em 2015. “O que muda um pouquinho é que não há queda na quantidade exportada”, destacou. No caso do petróleo, em particular, a perspectiva é que o volume exportado suba em torno de 31%.

Castro ressaltou que a queda de preço internacional é muito acentuada. “Teremos redução da receita desses três produtos, tanto do minério, como do petróleo e da soja. Por isso, no conjunto, as commodities vão ter uma queda de 10,2% na receita de exportação”. Já os manufaturados subirão um pouco em função da taxa de câmbio.

Todos esses fatores acentuarão a tendência de queda na participação do Brasil nas exportações mundiais, depois de alta de 1,41%, em 2011, considerada a maior posição nos últimos 50 anos, acredita a AEB. A projeção da associação é que essa participação diminua em 2014 para 1,21%, similar à de 2008, atingindo 1,14% ou 1,15%, em 2015. As informações são da Agência Brasil.

(Redação- Agência IN)